Desporto

Aboubakar deixa dragão a cuspir fogo no Principado

Os dragões bateram o Mónaco por 3-0, alcançando o primeiro triunfo na Liga dos Campeões.

Análise: Depois de uma derrota em casa na abertura da presente edição da Liga dos Campeões, diante do Besiktas por 3-1, o FC Porto partiu para o duelo com o Monaco com uma pressão acrescida. Caso os dragões perdessem mais um encontro ficariam a seis pontos do segundo classificado.

No entanto, os pupilos de Sérgio Conceição bateram o favorito Monaco por 0-3, em pleno Stade Louis II, com uma exibição sem espinhas e sem grandes contra-tempos para o clube da cidade Invicta.

Um triunfo importante para continuarem a sonhar com os tão desejados oitavos de final.

Aboubakar ensina dragão a falar francês

Monaco entrou na partida bastante pressionante na partida, tentando evitar que os dragões saissem a jogar de forma organizada e controlada. Contudo, os pupilos de Sérgio Conceição vinham com a lição estudada e reverteram a tática de Leonardo Jardim e tudo graças a Danilo Pereira.

O médio defensivo dos dragões esteve mais recuado em campo, jogando mais aproximado dos defesas na tentativa de diminuir o erro na hora do passe e evitar que o esférico caísse na poderosa ofensiva monegasca (que conta com o goleador Falcao) e fizesse estragos à baliza de Iker Casillas.

Para além de Danilo, também os laterais estiveram bem dentro das quatro linhas, apresentaram velocidade e consistência, o que permitiu à equipa ter dinâmica e sair a jogar com qualidade e num fechar de olhos. Quanto ao meio-campo portista esteve sóbrio e dinâmico – mesmo com a entrada de Sérgio Oliveira para onze titular – muito graças à noite inspirada de Brahimi.

Com um setor intermédio em bom destaque, a ofensiva dos dragões esteve sempre apoiada, sem nunca se sentir isolada na frente. Perante o bom desempenho do FC Porto, o golo iria acabar por surgir aos 31 minutos de jogo, com ajuda dos pés de Aboubakar, que depois de várias tentativas lá conseguiu agitar as redes do adversário.

Aboubakar volta a atormentar Leonardo Jardim

No segundo período foi notório a queda de rendimento das duas equipas, o jogo tornou-se mais lento e cauteloso, com um Monaco a tentar descodificar as fragilidades do adversário e um FC Porto que queria acalmar a partida a pensar no duelo da próxima semana – diante do Sporting, em Alvalade.

No entanto, através de um momento de genialidade de Brahimi – com um passe acutilante para o atacante – Aboubakar voltaria a marcar aos monegascos e aumentava a vantagem para 0-2. Um tento que se transformou num shot de adrenalina, o dragão voltou a acordar para o duelo e voltou a cuspir fogo.

O FC Porto dominava todas as ações do campo, sem que o Monaco conseguisse fazer nada no seu próprio estádio e público – muito por culpa da jovialidade do plantel de Leonardo Jardim -, uma noite para esquecer para o emblema do Principado.

Porém, ao cair do pano, ainda houve tempo para mais uma celebração para os dragões, Layún aumentou a vantagem no marcador aos 89 minutos. Num lance de grande atrapalhação no coração da área do Monaco, o mexicano recebeu um passe de Marega e disparou para dentro da baliza do adversário.

Momento do jogo: Não é um momento mas sim o jogador do jogo… Aboubakar foi a grande estrela da equipa azul e branca esta noite. Os três pontos dependeram (em muito) ao avançado camaronês.

Onze titular do FC Porto: Casillas; Ricardo, Marcano, Felipe, Alex Telles; Danilo Pereira, Herrera, Brahimi Sérgio Oliveira; Marega e Aboubakar

Onze titular do Monaco: Diego Benaglio; Jorge, Jmerson, Glik, Sidibé; Fabinho, Lemar, João Moutinho, Diakhaby, Ghezzal; Falcao

[NAM]

Deixe uma resposta