Comunidade Cultura Espetáculos

Grupo de fado Gerações encanta no seu 20.° aniversário

O grupo de fado português Gerações, que completou 20 anos de existência, celebrou ontem o seu aniversário na Dietrich-Keunig-Haus, na cidade alemã de Dortmund.

Numa noite deslumbrante em que Portugal se fez sentir em Dortmund, Carlos Lopes foi o apresentador que conduziu o público multicultural de mais de 300 pessoas, com uma enorme simpatia e humor na língua de Camões e na língua alemã. Assim, no início da noite convidou o Sr. Jörg Stüdemann, vereador da cultura e representante do Presidente da Câmara Municipal de Dortmund, bem como o Cônsul-Geral de Portugal em Düsseldorf, José Manuel Carneiro Mendes, para subirem ao palco. O Sr. Stüdemann congratulou o grupo Gerações e informou os presentes que em Dortmund residem cerca de 2000 portugueses que são uma comunidade extremamente apreciada, valorizada e integrada, tendo também feito referência ao fantástico rancho folclórico Santo António. Stüdemann salientou que, a existência destes grupos portugueses, extremamente dinâmicos e ativos, demonstram que a língua, a cultura e a música portuguesas estão constantemente presentes nesta cidade, sendo um enriquecimento para a mesma. O Cônsul-Geral de Portugal demonstrou orgulho pelo facto de se estar a celebrar um aniversário que está estritamente ligado “às nossas tradições”, à cultura portuguesa, e que é património imaterial da Unesco desde 2011, o fado. Assim, considerou ser extremamente gratificante poder-se partilhar a nossa alma portuguesa não só com o público alemão, mas também com a comunidade portuguesa residente na Alemanha, agradecendo ao grupo Gerações o facto de trazer a “nossa portugalidade até nós”.

O nome do grupo de fado Gerações surgiu por sugestão do Sr. Ciro da Silva um dos fundadores do grupo por ser de outra geração da dos seus co-fundadores Miguel Ruas e Ivo Guedes. E assim nasceu o Gerações, em 1998, sob o impulso de Ciro da Silva. Para além dos membros que o constituem atualmente, este grupo já contou com outros membros e outras fadistas. Assim, há que relembrar também as vozes de Anabela Ribeiro, Sandra do Carmo, Matilde Larguinho e Elisabete Ferreira. Presentemente, este fantástico grupo de fado português é constituído pelas magníficas vozes de Suzana Pais e João Marques e pelos esplendorosos músicos Ivo Guedes, na guitarra portuguesa, Miguel Ruas, na viola e Ruben Claro, no baixo.

No início deste grupo, os ensaios realizavam-se em duas casas que possibilitaram que o grupo ensaiasse: o centro desportivo de Dortmund e o centro católico de Santo António, onde ensaiavam duas vezes por semana. Numa fase inicial do grupo, o fado era acompanhado por 2 violas, o que se devia ao facto de Ivo Guedes não saber tocar guitarra portuguesa. Posteriormente, Ciro da Silva, grande amante do fado, lançou o desafio a Ivo Guedes de aprender a tocar guitarra portuguesa, e foi assim que começou a tocar este instrumento complexo. Não tendo tido ninguém para o ensinar, Ivo Guedes gravou os programas “Fados de Portugal”, de António Pinto Bastos, para poder analisar as posições das mãos, os sons, para evoluir na sua aprendizagem e dar continuidade a esta arte, tendo sido assim que nasceu a sua paixão pelo fado.

Co-fundador do grupo Gerações, o magnífico músico Miguel Ruas, oriundo de uma família de músicos, é companheiro de Ivo Guedes desde que tocaram juntos nos “Conquistadores”, onde Anabela Ribeiro era vocalista. Por força do destino e por motivos profissionais viu-se obrigado a deixar o seu grupo de fado para ir residir para Hamburgo. Mas, tal como acontece com o verdadeiro amor, voltou para o grupo, que teve de voltar a abandonar, tendo regressado novamente. Durante o tempo em que Miguel Ruas esteve ausente, foi Miguel Lopes, de Unna, que deu continuidade ao som da viola no grupo. Posteriormente, foi Vitor Fonseca que se juntou ao grupo a seguir a Miguel Lopes. Numa altura em que Miguel Ruas demonstrou interesse em voltar para o grupo, Vítor Fonseca passou a tocar o baixo, instrumento musical que tocara em Portugal. Quando Miguel Ruas voltou a sair, entrou João Inocêncio, de Gelsenkirchen, que, posteriormente, voltou a ser substituido por Miguel Ruas, que faz parte do grupo até hoje. Neste ano de 2018, entrou um elemento de uma terceira, uma nova geração para este grupo de fado: Ruben Claro, no baixo. Curiosamente, também a origem musical de Ruben Claro não é o fado, mas sim o rock. Este novo elemento do grupo vive da música e não olhou a meios para aceitar o convite para integrar o grupo Gerações, merecendo toda a admiração por parte dos restantes elementos do grupo.

É de salientar o carinho e a emoção com que Ivo Guedes falou de todo o historial destes últimos 20 anos, e acima de tudo o respeito que demonstra por cada elemento que constituíu e que constitui este grupo. Para Ivo Guedes, um dos objetivos deste grupo é que este continue a existir na próxima geração e “que a nossa arte continue”. E como não há artista sem público, agradece a todos os portugueses, a todo o público e organizadores de eventos por “apostarem no que está à vossa volta. O ponto mais alto do grupo Gerações foi a festa de ontem.”
A comemoração do 20.o aniversário teve o seu início com a atuação do grupo Gerações com a interpretação de temas variados de fado com a doce, sensível e sentida voz da magnífica fadista Suzana Pais. Após a sua deslumbrante performance, seguiu-se a brilhante interpretação de diversos fados na magnificente voz e interpretação do fadista João Marques, que recentemente comemorou os seus 50 anos de carreira.

Suzana Pais, a atual fadista do grupo Gerações, aceitou em tempos um desafio porque também ela veio do rock. Num casting que foi feito para apurar uma nova fadista para o grupo, a vencedora foi Suzana Pais, que enriqueceu o grupo, e é uma voz autêntica e pura do fado português, que com as suas canções transmite o nosso fado, a nossa saudade, o amor e o ciúme que anseiam por dias melhores, bem como as condições sociais existentes e a nossa tristeza. A humildade inigualável desta magnífica fadista aqueceu os corações do público presente na noite de ontem.
O fadista João Marques trouxe não só a sua magnífica voz, bem como muita experiência e muito conhecimento para o grupo de fado Gerações, sendo uma enorme mais-valia para o mesmo. Faz tudo por amor ao fado, sendo este amor contagiante e enriquecedor. A sua voz transmite de forma exímia os sentimentos do fado que canta e reflete o magnífico ser humano que é, que valoriza os jovens, aceitando as suas opiniões, transmitindo-lhes a sua experiência.

Vanessa Garcia, uma amiga do grupo, pertencente a uma nova geração de fadistas portuguesas na Alemanha, deu um primero passo, tendo cantado dois temas de fado português por ocasião do aniversário do grupo Gerações.

Os músicos Ivo Guedes, Miguel Ruas e Ruben Claro foram magníficos ao deixarem falar os instrumentos que tão bem tocam e dominam.

Miguel Ramos, o convidado especial desta noite de aniversário do grupo Gerações, viu o amor que existe à música e ao fado por parte deste grupo de fado, bem como o trabalho realizado e o profissionalismo dos músicos, pelo que decidiu aceitar o convite e prescindiu dos seus músicos. O fadista realçou o facto de não ser “qualquer um que consegue celebrar 20 anos de carreira”, e presenteou o público presente com um repertório fantástico, uma magnífica voz e uma forma única de cativar o público, público este que o surpreendeu, pois foi a primeira vez que cantou na Alemanha e desconhecia que havia tantos portugueses e alemães que gostam de fado. Miguel Ramos vem de uma família de músicos, o que justifica o seu gosto pelo fado. Considera o fado “uma música muito nossa, é destino, é alma, é paixão, e tristeza também, porque o fado não vive somente de alegrias, também vive de tristeza… e eu acho que tenho as duas coisas.” Já fez muitas “coisas” mas ainda lhe falta fazer muito mais e ainda tem “muito para aprender”. Em Lisboa tem o privilégio de cantar no “Clube de Fado”, de Mário Pacheco, um “grande músico e compositor português”. Quanto ao seu futuro, está a preparar o seu terceiro álbum, que sairá em breve.

Para terminar esta noite Miguel Ramos chamou ao palco todos os elementos do grupo Gerações para lhes cantar os parabéns na companhia do público presente.

O Correio Luso deseja a todos os intervenientes da festa de aniversário do grupo Gerações as maiores felicidades e um futuro promissor.

Bem-hajam, Gerações, por trazerem a nossa língua e cultura portuguesas até nós, de forma tão sincera, humilde, profissional e tão pura! Ficamos a aguardar o vosso CD.

[Red. Correio-Luso.de, Mirele Oliveira Costa]

Deixe uma resposta