Política

“UE não é alguma coisa que está em Bruxelas”, lembra Costa e deixa apelo

O primeiro-ministro, António Costa, apelou hoje ao envolvimento dos cidadãos nas eleições para o Parlamento Europeu, em 2019, afirmando que “a União Europeia não é alguma coisa que está em Bruxelas e que existe para além” das pessoas.

Num debate com alunos de doutoramento que se realizou no i3S, no Porto, no âmbito da visita da chanceler alemã, Angela Merkel, a Portugal, António Costa disse que “uma boa forma de participar é estar atento às campanhas eleitorais” e depois votar.

“A União Europeia (UE) não é alguma coisa que está em Bruxelas e existe para além dos cidadãos. Não é verdade”, disse, frisando que “todos os centros da UE resultam da participação dos cidadãos”.

Nesta iniciativa, António Costa afirmou que o papel da Europa no combate ao terrorismo é uma mais valia, porque há cooperação policial e judiciária entre todos os Estados-membros.

“Temos melhores condições para combater o terrorismo e isso é um exemplo de como a Europa pode ser uma mais valia e como nós podemos ao mesmo tempo sermos capazes de garantir segurança dos europeus e manter a liberdade de circulação”, bem como ter entre a fronteira atlântica e a fronteira da Polónia com a Rússia “um enorme espaço de segurança e justiça”.

Costa disse ser necessário “olhar para as causas do terrorismo”, considerando que “não é por acaso que, na generalidade dos atentados na Europa, os autores não vieram de fora: nasceram, cresceram e viveram muitas vezes na Europa”.

Em relação à livre circulação de pessoas “não temos qualquer hipótese”, disse Angela Merkel, justificando que as “informações não são ainda suficientemente colocadas em rede”, contudo, se “não houvesse cooperação ente serviços e informações não era possível travar esse combate” ao terrorismo.

A chanceler alemã também considerou ser importante olhar para “as razões do terrorismo”, afirmando que “a luta” passa também por se encontrar “soluções politicas” e por reforçar o trabalho de “coesão”, quer na UE como fora dela.

Para António Costa, o que tem sido “um enorme sucesso” da UE ao longo da sua história “é ter conseguido assegurar o maior período de paz” na Europa, “conseguindo encontrar método de conciliar essas vontades, interesses, culturas e perspetivas diversas” de todos os seus estados-membros.

“Cada vaga de alargamento tem sido mais desafiante, mas ao mesmo tempo tem enriquecido mais a Europa do ponto de vista da diversidade”, disse, frisando que “o esforço na compreensão dos outros é absolutamente essencial”.

Para o chefe do Governo, “um dos maiores riscos” no futuro da Europa “é uma certa fratura entre diversas partes da Europa”, mais visível hoje em dia entre o oeste e o este europeu.

“Nós, com experiência secular de circular pela África, américas e ásias, temos muitas vezes dificuldade em compreender como é que países no centro da Europa têm às vezes dificuldades de compreender os outros e de acolher os outros. Se nós não tivéssemos esta experiência de ter andado pelo mundo como descobridores, colonizadores e emigrantes, teríamos a mesma abertura de espírito de acolher os migrantes”, questionou, considerando que provavelmente Portugal teria “desenvolvido a mesma reação” dos outros.

António Costa reafirmou a necessidade de existir “este esforço de compreensão e de superação destas diferenças” e que este tem de ser “um exercício permanente”.

[Lusa]

Deixe uma resposta