Desporto

Avalanche ofensiva encarnada derrubou a muralha e subiu ao topo

Benfica venceu (2-0) o Desp. Aves, manteve a pressão sobre o FC Porto e assumiu o estatuto de equipa mais concretizadora do campeonato.

Habituados a vitórias expressivas nos últimos jogos em casa para o campeonato, os adeptos do Benfica viveram este sábado um sentimento de maior nervosismo e ansiedade por um golo que tardava em aparecer. Contudo, houve um ‘Pistolas’ que voltou a funcionar como uma espécie de ‘abre latas’ e, com mais um ‘tiro’, fez disparar as águias para novo triunfo, desta vez sobre o Desp. Aves, por 2-0.

No final, os encarnados aumentaram para seis o número de vitórias consecutivas, encurtaram a para dois pontos, a distância sobre o líder FC Porto, embora à condição, e assumiram o estatuto de equipa mais concretizadora do campeonato, com 69 golos marcados, mais um do que os dragões. Contas feitas, tudo correu bem à nação benfiquista que assim mantém bem vivo o sonho do penta. No entanto, esta última ‘final’ exigiu da equipa um pouco mais.

Com a lição bem estudada, o Desp. Aves apresentou-se na Luz com uma estratégia assente na solidez defensiva, reduzindo ao máximo os espaços ao conjunto de Rui Vitória e aproveitando, depois, a velocidade de Amilton ou Nildo Petrolina para tentar surpreender, e a verdade é que o plano resultou… na primeira parte.

O Benfica, por seu lado, entrou com João Carvalho no lugar do castigado Pizzi e nos primeiros minutos privilegiou o ataque pelas alas, tanto através de Cervi como, principalmente, Rafa. No entanto, a equipa acusou sempre a fraca presença na área, até porque o demasiado espaço existente entre os médios interiores, Zivkovic e João Carvalho, para Jonas deixava o brasileiro ‘engolido’ pelos centrais avenses.

Perante estas dificuldades, que permitiram pouco mais do que dois lances perigosos de Rafa na cara de Adriano Facchini durante o primeiro tempo, ao intervalo, Rui Vitória alterou a dinâmica da equipa, lançou Raúl Jiménez ao lado de Jonas e as águias encostaram a formação de José Mota às cordas. A avalanche ofensiva encarnada acabou mesmo por derrubar a muralha e lançar os tetracampeões nacionais para o triunfo. Jonas quebrou a resistência adversária, reforçando a liderança dos melhores marcadores do campeonato com 31 golos – soma agora 119 em 148 jogos pelos encarnados -, e motivou a primeira explosão de alegria na Luz.

Três minutos depois, o Rúben Dias arrumou com a questão e fixou o resultado final em 2-0, num golo que permitiu também ao Benfica superar o FC Porto no registo de golos na Liga. Se os dragões apresentam a defesa menos batida, com apenas 13 golos consentidos, as águias têm agora o melhor ataque, com 69 golos. Este domingo, os azuis e brancos defrontam o P. Ferreira na certeza de que o rival direto não vacila na corrida pelo título.

[ FÁBIO AGUIAR]

Deixe uma resposta