Economia

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

Eurogrupo reúne-se na segunda-feira para discutir os dois candidatos à vice-presidência do BCE, enquanto Portugal regressa ao mercado de dívida de curto prazo. Nos EUA, o destaque vai estar no PMI.

Eurogrupo debate novo vice-presidente do BCE

A semana começa com a reunião do Eurogrupo, em que o principal tema serão os candidatos à vice-presidência do Banco Central Europeu (BCE): o governador do banco central da Irlanda, Philip Lane, e o ministro da Economia e Competitividade de Espanha, Luis de Guindos. Ainda na Europa, estará também em destaque a publicação dos relatos da última reunião de política monetária do BCE. Em termos de indicadores económicos, há dados finais da inflação na zona euro relativos a janeiro (sexta-feira), o índice gestores de compras PMI (quarta-feira) e o ZEW sobre sentimento económico (terça-feira).

Portugal vai ao mercado de dívida de curto prazo
A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, o IGCP, vai realizar um leilão duplo de Bilhetes do Tesouro (BT) a três e a onze meses, na próxima quarta-feira. O Tesouro pretende emitir até 1.250 milhões de euros em BT com maturidades em 18 de maio de 2018 e 18 de janeiro de 2019, sendo que no último leilão comparável, em outubro, Portugal colocou 950 milhões de euros a onze meses a uma taxa de -0,325% e emitiu 300 milhões de euros a três meses a uma taxa de -0,389%.

Depois da inflação, a economia norte-americana
Após um arranque do ano robusto para o setor da produção industrial e moderado nos serviços, esta quarta-feira, a IHS Markit vai publica o Índice de Gestores de Compras (PMI, na sigla em inglês) relativo a fevereiro. O valor é especialmente importante depois de na semana terem sido conhecidos dados da inflação nos EUA, em janeiro. A inflação anual nos Estados Unidos acelerou para 2,1% em janeiro, face aos 2% registados em dezembro e à estimativa de 1,9% dos analistas. Também na quarta-feira são publicadas as minutas da última reunião de política monetária da Reserva Federal norte-americana, sendo que ambos dados económicos poderão alterar a perspetivas de subidas nos federal funds rates para este ano.

[Leonor Mateus Ferreira]

Deixe uma resposta