Desporto

Emoção e ‘polémica’ num dérbi que terminou em ‘tons de azul’

Gelson Martins marcou o primeiro golo, aos 19 minutos, e Jonas carimbou o empate, aos 89 minutos, fixando o 1-1 final entre Benfica e Sporting. Um resultado que ‘ofereceu’ a liderança isolada ao FC Porto, após vitória dos portistas sobre o Feirense.

“Sangue, suor e lágrimas”. O dérbi de Lisboa é, historicamente, um dos mais emocionantes do futebol português, tanto pela rivalidade vivida entre ambos os clubes, como pela qualidade que, regra geral, as duas equipas exibem.

Esta quarta-feira, o Sporting visitou o ‘inferno’ da Luz e até começou por ‘gelar’ as bancadas – com um golo de Gelson Martins – mas a superioridade demonstrada pela equipa da casa valeu, ao cair do pano, um ponto para cada lado, com Jonas a selar o 1-1, na sequência de uma grande penalidade.

Minutos ‘loucos’ e um ‘menino atrevido’

Na luta pelo título nacional e separados, apenas, por três pontos, águias e leões entraram em campo com apenas um objetivo: vencer. No entanto, foi um objetivo que, com o avançar do relógio, foi perdendo ‘força’, pelo menos para um dos lados.

Um cabeceamento certeiro de Gelson Martins fez as alegrias dos cerca de três mil adeptos que ‘viajaram’ até ao outro lado da 2.ª Circular, para apoiar os verde e brancos, aos 19 minutos. Mas pouco mais se viu da equipa leonina.

Sem grande clarividência no meio-campo, William Carvalho não esteve nos seus melhores dias, com pouca capacidade de ligação e construção de jogo. Com o Benfica a aumentar a pressão, e com um bloco cada vez mais subido, o ‘sufoco’ chegava à defesa leonina, onde ia valendo Rui Patrício, com Coates e Piccini a contribuírem para os batimentos acelerados de quem assistia.

Com muito pouco – ou nada – de Bas Dost e William com dificuldades em encontrar o passo certo de Battaglia, Bruno Fernandes servia de bombeiro no ‘incêndio’ prestes a ‘deflagrar’. Sempre que possível, contrariava, não só o meio-campo das águias, como transportava o esférico até ao último terço do terreno adversário.

Da insistência à ‘arte do engenho’

Mas o Benfica não ‘dava o flanco’. A competir apenas numa competição e com o pentacampeonato na mira, a equipa de Rui Vitória não descansou enquanto não conseguiu levantar as bancadas do Estádio da Luz, com o ‘pistoleiro’ Jonas a ‘disparar’ para o empate, com uma grande penalidade a trair Rui Patrício.

Apesar de só ter marcado um golo, as águias voaram bem perto da baliza do guardião campeão europeu, principalmente por Krovinovic. Agil e inteligente a ler o jogo, o croata dinamizou o caudal ofensivo da equipa, encontrando – quase sempre – espaço para progredir no campo.

Cervi e Grimaldo também não pouparam a defesa leonina, com cruzamentos venenosos e lances de bola parada capazes de fazer ‘parar’ o coração de qualquer adepto, naquele que foi um dos dérbis mais ‘renhido’ dos últimos tempos.

O resultado não espelha a superioridade exibida pelo Benfica em campo. No entanto, os dados estatísticos mostram que a águia foi ‘dona’ da sua casa, diante de um leão que não passou de ‘convidado’, num dérbi que ficou ainda marcado por alguns lances polémicos, com o Benfica a pedir mais do que uma grande penalidade a seu favor.

Com este empate, o Sporting soma 40 pontos, mais três do que o Benfica, que ocupa o terceiro lugar. Na liderança está o FC Porto, com 42 pontos, que venceu o Feirense por 2-1.

Benfica vs Sporting 
23 Remates 9
61% Posse de bola 39%
15 Faltas 18
10 Cantos 5
1 Cartões amarelos  2

 

Deixe uma resposta